Domingo, 5 de Fevereiro de 2006

ESPÍRITO CELTA

bceltas1.JPG


Corre-me nas veias,
o puro sangue celta.
Antepassados nobres
que navegam,
em tão sublime,
rio vermelho.

Oiço o espirito da natureza.
Os pardais e a cigarra,
silenciam seu canto,
e ouvem o fado,
que a natureza
transmite.

A harmonia
desta união
perpétua,
fortalece,
e faz resplandecer,
o meu corpo
e espírito.


Hórus

publicado por Hórus às 02:05
link do post | comentar
34 comentários:
De Anónimo a 6 de Fevereiro de 2006 às 15:45
Mais um excelente texto que nos faz viajar! AbraçoLaços...
(http://fly4you.blogs.sapo.pt)
(mailto:arquitectura@escala-urbana.pt)


De Anónimo a 6 de Fevereiro de 2006 às 12:23
E só e apenas a pagina mais linda e bem construida que vi ate hoje. Parabêns e continua. Abraço Fernando..Fernando
</a>
(mailto:feranado@sapo.pt)


De Anónimo a 5 de Fevereiro de 2006 às 22:08
Ah! Como gosto de me sentir assim, cúmplice integrante da Natureza... Belo poema. Obrigado pela visita. Bjs de Luz.MoonLight
(http://atmoonlight.blogs.sapo.pt/)
(mailto:moonlight@sapo.pt)


De Anónimo a 5 de Fevereiro de 2006 às 21:58
Magnifico e intenso poema, mas aí anda também o sangue mágico dos visigodos!
Bjsjo
(http://ecosdotempo.blogs.sapo.pt)
(mailto:mjoaojara@sapo.pt)


De Anónimo a 5 de Fevereiro de 2006 às 21:22
Belo,
agora sei porque gostas do norte de Portugal.
Grande AbraçoJorge Moreira
(http://jorgemoreirashakti.blogspot.com/)
(mailto:shakti@sapo.pt)


De Anónimo a 5 de Fevereiro de 2006 às 18:32
E sangue mouro, não?Luisa
(http://ecosdotempo.blogs.sapo.pt)
(mailto:luisa34@netcabo.pt)


De Anónimo a 5 de Fevereiro de 2006 às 17:43
"nas veias, o puro sangue celta"... Ai!!!!! ;) É melhor eu ter cuidado... Mas gostei de saber... :) beijinhos / PS: A imagem é uma delicia!Aran_aran
(http://capricornioemim.blogs.sapo.pt)
(mailto:aran_aran@sapo.pt)


De Anónimo a 5 de Fevereiro de 2006 às 12:35
Ler este belo poema é de facto arrepiante, quando percebemos que sentimos algo semelhante! :)
***AmorPerfeito
(http://embuscadovaleencantado.blogspot.com)
(mailto:m20020221@hotmail.com)


De Anónimo a 5 de Fevereiro de 2006 às 10:11
HORUS, obrigada pela visita que fizeste ao meu novo campo e pelas lindas palavras que lá deixaste.
Este poema arrepiou-me porque sinto que me corre nas veias o espírito celta, sou "celtibera" e a Mãe Natureza em todas as suas formas, até minerais, fala comigo. Tu sabes o que quero dizer. Um Abraço e um Beijo. Maria Papoila
(http://apapoila.blogs.sapo.pt)
(mailto:mantosilva@sapo.pt)


De susana a 9 de Junho de 2006 às 11:59
A magia, a lembrança escondida, o sentimento de orgulho, a descoberta da alma, a força do granito, o poder das palavras, a entrega à mãe natureza, os elos que ficam para além de todos os tempos como raízes que se estendem da memória adormecida até à inquietação do presente que se pressente como continuação do outro Tempo...e, no fim, as saudades...que se estendem nos séculos...

Beijos "celtas" algures aqui da Teia...


Comentar post